Consciência ou Inteligência Artificial?

Última atualização: 28 de dezembro de 2022
Tempo de leitura: 5 min

As máquinas podem pensar? Essa foi a pergunta que o cientista e matemático Alan Turing fez em meados do século passado. Desde então, diversas teorias e testes foram criados para responder. Porém, para muitas pessoas a dúvida permanece. Nos dias atuais, acompanhando a evolução da inteligência artificial generativa (IAG), vários outros elementos ampliam essa questão. Mas afinal, devemos nos preocupar com a inteligência ou a consciência artificial?

Turing propôs esclarecer essa questão com um jogo no qual uma máquina tentava se passar por um humano. Qualquer equipamento que conseguisse isso, poderia ser considerada inteligente. Em 1940, o neurocirurgião Geoffrey Jefferson propôs um parâmetro diferente de Turing: “Somente quando uma máquina conseguir escrever um soneto ou compor um concerto em consequência dos pensamentos ou emoções que sentiu, e não à distribuição casual dos símbolos, poderemos concordar que a máquina irá se equiparar ao cérebro humano. Ou seja, se ela não apenas escrever algo, mas souber que o escreveu”.

Deveríamos evoluir na linha de Jefferson, mas ainda hoje nos preocupamos como Turing. Sim as máquinas são inteligentes, o que elas não têm é a consciência disso. Podemos relacionar a inteligência na capacidade de produzir, de fazer, diferente da consciência, que está relacionada ao ser. Por isso falamos em inteligência artificial e não em consciência artificial. As máquinas têm a função de ajudar os humanos a fazerem coisas e não em nos substituir. Não querem ser humanas. Na verdade, alguns humanos é que desejam que nos comportemos como elas. 

A IAG de hoje nos parece inteligente, mas definitivamente está muito longe de ter consciência. Podemos usar redes neurais profundas impressionantes, como o jogo AlphaZero da DeepMind ou grandes modelos de linguagem como o GPT-3 da OpenAI, mas elas são tão enviesadas e irracionais como nós humanos. Afinal a grande parte de todos os dados que alimentam esses sistemas são dados humanos. Digo grande parte e não tudo, pois os dados sintéticos (produzidos pelas próprias máquinas) já retroalimentam o sistema.

Vivemos em um mundo de aparências, e neste sentido Turing estava certo pois as pessoas geralmente se referem aos algoritmos como máquinas inteligentes, e falam sobre elas como se elas realmente entendessem o mundo, simplesmente porque parecem entender. Ledo engano e, pelo menos por enquanto, uma preocupação totalmente desnecessária. A inteligência artificial não ameaça a humanidade.

Apesar de sofisticado e extremamente útil, a IAG de hoje tem a inteligência similar a uma calculadora muito poderosa. São máquinas projetadas para converter entrada de dados e nos entregar resultados de maneiras que nós humanos, com consciência, interpretemos de maneira significativa. Evoluímos no uso de redes neurais inspiradas em cérebros humanos, mas as melhores delas são infinitamente menos complexas do que o cérebro de um golfinho.

Não podemos negar que as profissões que conhecemos hoje vão desaparecer em algumas décadas. E que as máquinas farão parte deste processo. Aquelas pessoas que não se desenvolverem terão dificuldade, pois o mercado de trabalho vai classificá-las inúteis. O futuro do trabalho dependerá do futuro da aprendizagem. Aprender a reaprender, desenvolver a criatividade e se reinventar é fundamental. As habilidades comportamentais são as que vão permitir essa evolução. A tecnologia exigirá novas competências humanas.

A área de comunicação está no epicentro de toda essa discussão, pois será através de processos comunicativos que vamos nos integrar as máquinas. Sem medos ou neuroses. Esses aparelhos, pelo menos por enquanto, são ferramentas que estão a nossa disposição. Mas como em qualquer fase da história, vamos precisar usar a nossa consciência, nossas emoções e nossas sensibilidades para aproveitar o que o futuro nos reserva.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é box360-logo.webp

Conheça o BOX360º – Uma nova experiência em análise de dados

Leia mais:

Vieses Artificiais

Compartilhe:

Marcelo Molnar

Sobre o autor

Marcelo Molnar é sócio-diretor da Boxnet. Trabalhou mais de 18 anos no mercado da TI, atuando nas áreas comercial e marketing. Diretor de conteúdo em diversos projetos de transferência de conhecimento na área da publicidade. Consultor Estratégico de Marketing e Comunicação. Coautor do livro "O Segredo de Ebbinghaus". Criador do conceito ICHM (Índice de Conexão Humana das Marcas) para mensuração do valor das marcas a partir de relações emocionais. Sócio Fundador da Todo Ouvidos, empresa especializada em monitoramento e análises nas redes sociais.

Posts relacionados
Literacia Midiática e...

Este é um tema amplamente explorado, porém frequentemente negligenciado: a...

Leia mais >
Comportamentos...

Em meus mais de quarenta anos de experiência profissional, testemunhei...

Leia mais >

Entre em contato

Descubra como a sua empresa pode ser mais analítica.